Colégio Efanor

Educar para o século XXI

"Fernão Capelo Gaivota era uma gaivota diferente. A sua enorme curiosidade levava-a a querer conhecer o Mundo, a subir ao céu, a tocar as estrelas!... Recusava-se a voar só pela comida.

A velha gaivota Chiang ajudou-a nas primeiras tentativas. Não era fácil largar a vista de terra e os voos rasantes. Foi preciso esforço, muita concentração e empenho. Aprendeu várias técnicas; experimentou novas velocidades, sentiu tonturas e dores nas asas, por vezes quase caía… mas não desistiu... Em movimentos cada vez mais seguros, Fernão Capelo Gaivota descobriu a liberdade e o prazer de voar mais alto. E sentiu-se feliz! "Afinal uma gaivota que se preza tem de viver o brilho das estrelas, analisar de perto o paraíso, respirar ares mais leves e afáveis. Viver é conquistar, não limitar o ilimitável. Sempre haverá o que aprender. Sempre. Se não aprendermos nada, então o próximo mundo será igual a este, com as mesmas limitações e obstáculos a vencer.” Depois, Fernão Capelo Gaivota ajudou muitas outras gaivotas a descobrir, com alegria, que eram capazes de voar cada vez mais alto, atingindo quase a perfeição e o brilho das estrelas!" (*)

O primeiro dos grandes desafios do Projeto Educativo do Colégio Efanor será "ajudar a voar” todas e cada uma das crianças que o frequentam, possibilitando-lhes explorar, até ao limite, as suas capacidades e orientando-as para a construção e liderança de um projeto de vida que lhes permita ser felizes consigo próprias e com os outros.

Por outro lado, não poderemos esquecer os desafios que a sociedade da informação e da comunicação, as mudanças científicas e tecnológicas aceleradas, a globalização da economia, a exigência da sustentabilidade ambiental e a necessidade de garantir a inclusão e coesão sociais na vivência da multiculturalidade, da incerteza e da imprevisibilidade nos lança e que exigem repensar as aprendizagens e as competências a trabalhar na escola.

Queremos formar pessoas cientificamente informadas e competentes; capazes de pensar e de agir autónoma e livremente; criativas e abertas à inovação; respeitadoras de estilos de vida saudável; exigentes consigo próprias, auto-reguladas e rigorosas nas atitudes e na ação, mas tolerantes, sensíveis; capazes de intervir social e solidariamente na comunidade.
 
Vê mais longe a gaivota que voa mais alto
(*) Fernão Capelo Gaivota
Richard Bach